Tonight in the Weekly Cycle



Quick Start:

Sunday, December 6, 2009

Semana 3: Ser Feliz, Ter Equilíbrio e Segurança em D’us


Semana 3: Ser Feliz, Ter Equilíbrio e Segurança em D’us

Na terceira semana do ano judaico, quando o Povo comemora Sucot, o pombo é o animal apresentado no Perek Shirá. Ele canta para D’us ser a sua fonte de proteção, e pede para que seu sustento venha diretamente Dele, e não das mãos de um ser humano (Isaías 38:14 e Talmud, Eruvin 18b). Normalmente, esta semana também marca o yahrzeit do quarto Rebbe de Lubavitch, Shmuel, o Rebbe Maharash, no dia treze de Tishrei.
Em Sucot, o Povo Judeu recorda como D’us o protegeu no deserto, assim como celebra a continuidade dessa proteção até os dias atuais. Vivemos sempre como dentro de uma Sucá, em um estado frágil e sujeito às intempéries do tempo, e dependemos inteiramente de D’us para obter segurança e equilíbrio.
No Pirkê Avot associado à terceira semana, Raban Shimon ben Gamliel explica que o mundo perdura em virtude de três coisas: a justiça, a verdade e a paz (Cap. I:18). Sem essas,  não há equilíbrio e segurança no mundo.
 Assim, nesta semana prepondera a combinação das sefirot tiferet shebechesed. A sefirá tiferet denota a beleza e equilíbrio. Assim como Jacob representa tiferet, o Rebbe Maharash também representa esta sefirá. Este Rebbe nasceu no décimo sétimo dia do ômer, que corresponde a tiferet shebetiferet. Seu pai às vezes até se referia ao filho por essa combinação.[1]
Jacob também é associado à Sucot. Existe um verso na Torá que expressamente se refere a isso: depois de se despedir de Esaú, Jacob vai para Sucot![2]  
Esses são os dias em que a comunidade recebe as bençãos divinas de auxílio físico e espiritual, debaixo das frágeis construções de suas Sucot. Nestes dias, não temos escolha, somos comandados a sermos felizes.[3] Se é preciso fingir felicidade, que assim seja. Por vezes ao botar uma “máscara”de felicidade, acabamos transformados e ficamos felizes de verdade.
De um modo geral, as Sucot são espiritual e visualmente muito bonitas. Construir, enfeitar e preparar as refeições na Sucá já constitui uma boa “terapia.” Nesta semana, o indivíduo aprende com o pombo a não ficar ansioso e ter fé em D’us, que proverá todas suas necessidades. Por outro lado, é  importante criar um recipiente para receber as bençãos divinas. Além de cuidar do corpo, é aconselhável trabalhar para manter um ambiente organizado, equilibrado e agradável, como a Sucá.



[1]  Hayom Yom, 2 de Iyar, p. 50
[2] Um lugar antigo em Israel assim denominado (Gênesis 33:17)
[3] Deuteronômio 16: 14

Sunday, November 29, 2009

Semana 4: Se Responsibilizar com o Coletivo, Se Protegendo de Más Companhias


Semana 4: Se Responsibilizar com o Coletivo, Se Protegendo de Más Companhias

            Na quarta semana do ano, durante o final de Sucot, Shemini Atseret e Simchat Torá, é a vez da águia cantar no Perek Shirá. Em Simchat Torá, se conclui a leitura anual de toda a Torá feita em todas as sinagogas. Logo em seguida, a comunidade inicia novamente a leitura da Torá, começando do princípio. A águia é um símbolo deste reinício, pois renova suas penas de ano a ano.[1]  
A águia canta suplicando para D’us lembrar de todas as outras nações, e castigar os malvados (Salmo 59:6). Durante Sucot, o Povo de Israel lembra de todas as nações em suas preces. No entanto, o enfoque de Shemini Atseret está na relação íntima entre D’us e o Povo Judeu.
A águia é a ave que voa mais alto de todas, tendo portanto,  uma visão extremamente ampla e potente de toda a Criação. Ao contrário dos outros pássaros, que carregam os filhotes entre suas garras, a águia os carrega em cima de suas asas, para evitar que outro animal os alcance. Assim é nossa relação com D’us: "Vocês viram o que fiz aos egípcios e como os levei sobre asas de águia e os trouxe a Mim".[2]
No Pirkê Avot, Rabi Yehudá HaNassí discorre sobre como se manter no caminho correto, sendo louvável aos seus próprios olhos e aos olhos de seu semelhante. A palavra utilizada por Rabi Yehudá para descrever este estado de equilíbrio é tiferet, sefirá ligada a Sucot.
 Rabi Yehudá HaNassí explica que diferentes mitzvot não devem ser comparadas. Alguns pensam que dançar com a Torá, costume do dia de Simchat Torá, é menos importante do que as rezas feitas em Rosh Hashaná e Yom Kippur. Na verdade, aos olhos de D’us, dançar junto com a Torá é muito importante. É em Shemini Atseret e Simchat Torá que o julgamento de cada ser humano é encerrado para aquele respectivo ano. Apesar de que, nunca é tarde para fazer teshuvá (retornar a D’us) e mudar o julgamento celeste.
Nesta semana a combinação de sefirot predominante é netzach shebechesed. Concluimos a leitura da Torá com a descrição das bençãos dadas por Moisés às doze tribos de Israel. Sendo Moisés associado à sefirá netzach, bençãos, atos de bondade, são ligadas a chesed.
A lição que podemos depreender do verso da águia é a preocupação que ela demonstra com os outros, além de si mesma. Na realidade, ajuda demais a aplacar a depressão quando o indivíduo consegue se ocupar com outros além de cuidar de si mesmo. A águia tem esta preocupação com a comunidade e com todas a nações.


[1] Salmo 103:5, Rashi
[2] Êxodo 19:4

Sunday, November 22, 2009

Semana 5: Utilizar Todas as Forças Disponíveis Para Elevar o Mundo

Semana 5: Utilizar Todas as Forças Disponíveis Para Elevar o Mundo

Na quinta semana do calendário judaico ocorre Rosh Chodesh Cheshvan. O mês de Cheshvan é representado pela tribo de Menashé, filho primogênito de José. Diferentemente de Efraim, Menashé era mais envolvido no mundo material, ajudando seu pai na administração de todo império egípcio da época. Em Cheshvan, trazemos toda santidade que adquirimos em Tishrei e a utilizamos no nosso trabalho espiritual e material do dia-a-dia para elevar o mundo.
No Perek Shirá, a garça canta para D’us com alegria e recomenda que sejam usados instrumentos musicais para que a sonoridade de exaltação seja mais bela (Salmo 33:2). Depois da introspecção e mergulho às pérolas da Torá e serviço a D’us durante o mês de Tishrei, devemos pôr em prática no mundo físico novas resoluções. Nesse trabalho, usamos todas as forças, instrumentos e tecnologias disponíveis.
No Pirkê Avot, as palavras de Raban Gamliel, filho do Rabi Yehudá Ha-Nassí, também estão relacionadas ao trabalho prático a ser realizado no mês de Chesvan. Raban Gamliel recomenda no Pirkê Avot que se combine o estudo da Torá com trabalho (Cap. II:2). Suas outras lições aconselham as formas com que o individuo deve trabalhar para a comunidade e lidar com o governo, entre outras.
Nesta semana, a sefirá preponderante é hod shebechesed, que está conectada ao serviço divino e a Aarão, o Sumo Sacredote. Sabemos que o Terceiro Templo será inaugurado em Cheshvan.
Uma lição que podemos aprender da garça é o poder da música. E não é a música e o som dos instrumentos uma das terapias mais formidáveis e antigas para combater a melancolia? David tocava harpa para alegrar o Rei Saul, que estava atormentado por maus espíritos.

Sunday, November 15, 2009

Semana 6: Pensar nas Futuras Gerações

Semana 6: Pensar nas Futuras Gerações

Na sexta semana do ano judaico, no Perek Shirá, o pássaro canoro enaltece a D’us que o presenteou com um lar seguro para pouso, um ninho para descansar e dar de comer aos filhotes (Salmo 84:4). O verso também fala dos altares de D’us. Como dito, sabemos que em Cheshvan o Terceiro Templo será inaugurado na era messiânica.
No Pirkê Avot, Raban Yochanán ben Zacai, costumava dizer que mesmo aquele indivíduo que aprendeu muita Torá não deve pretender reconhecimento especial, pois foi criado justamente para essa finalidade (Cap. II:8). Além disso, ele pede para seus alunos “sairem e verem” qual o caminho a ser seguido e aquele que deve ser evitado. Este pedido está conectado com o mês de Cheshvan, no qual saimos de um estado de introspecção para nos envolver no mundo material, a fim de garantir nosso sustento. Durante sua vida, Raban ben Zacai partiu de Jerusalém antes da destruição do Templo, em jornada para estabelecer Yavneh, centro de estudo onde ensinou a Torá oralmente, assegurando a sobrevivência do Judaísmo para futuras gerações.
Nesta semana a combinação das sefirot resulta em yesod shebechesed. Esta sefirá, tal como o canto do pássaro canoro, nos faz lembrar a José, representante da sefirá yesod, que tinha a preocupação de prover espiritual e materialmente  sua família e o restante do mundo.
Podemos extrair uma lição preciosa do pássaro canoro. Como explicamos na quarta semana, temos que cuidar dos outros, além de cuidar de nós mesmos. O pássaro canoro nos ensina que precisamos trabalhar para criarmos uma fundação sólida para filhos e futuras gerações, incluindo alunos. Isto pode servir de grande motivação para aquela pessoa que se encontra deprimida.

Sunday, November 8, 2009

Semana 7: Reconhecer a Presença de D’us no Mundo

Semana 7: Reconhecer a Presença de D’us  no Mundo

Na sétima semana do ano, ainda no mês de Cheshvan, a andorinha canta no Perek Shirá anunciando que não pode ficar em silêncio diante de D’us e sim, cantará e agradecerá a Ele para sempre (Salmo 30:13).
Em hebraico a expressão para sempre, l'olam, tem dentro de si a palavra olam, que significa mundo. Olam vem da palavra ehelem, que significa “máscarar” e “ocultar”. É através do nosso envolvimento com o mundo neste mês que conseguimos revelar a presença de D’us, que até então estava oculta.
No Pirkê Avot, Rabi Eliezer ensina que “a honra de teu próximo seja tão querida para ti como se fosse tua própria honra, e não te irrites com facilidade” (Cap. II: 10). Rabi Eliezer ensina que o indivíduo deve arrepender-se um dia antes de sua morte. Entretanto, como ninguém sabe quando vai morrer, cada um deve arrepender-se diariamente.
O dilúvio na era de Noé começou no dia dezessete do mês de Cheshvan. Tal fenômeno não teria acontecido se as pessoas tivessem se arrependido da corrupção e atrocidades cometidas. Noé foi parcialmente culpado por não ter rezado por seus vizinhos, e egoisticamente só ter se preocupado com o próprio bem estar e de sua família.

A sefirá predominante desta semana é malchut shebechesed. Nesta semana se comemora o yahrzeit da Rachel, uma das matriarcas do Povo de Israel. Rachel na cabalá representa malchut e a Schechiná, presença feminina de D’us no mundo. Rachel também tinha muito chesed, constituindo um exemplo perfeito da lição do Pirkê Avot mencionada. Ela preferiu sofrer e deixar  que seu amor casasse com outra mulher, do que envergonhar e ferir a honra de sua irmã Léa.
Durante esses dias extraímos do Perek Shirá uma lição muito importante para a convivência: sempre reconhecer e agradecer a D’us. Até a andorinha reconhece a grandeza de D’us e demonstra sua gratidão eternamente. A andorinha também ensina que ao louvar a D’us não basta só usar instrumentos (como na semana seis), é importante também cantar com a nossa própria voz.

DOWNLOAD A FREE COPY OF PEREK SHIRAH HERE!

Blog Archive

Contributors